Usando o Microsoft Exchange Server 2010 para obter uma rica coexistência com o Exchange Online – BPOS / Office 365 / Microsoft Online Services – parte 3/3

 

Como configurar a Rica Coexistência

Vamos agora explorar quais são as etapas necessárias para a configuração da rica coexistência, com o Exchange Online. Antes de qualquer coisa, o primeiro pré-requisito deve ser respeitado: o Exchange on-premises deve ser Exchange 2010. Se a versão for anterior, a migração deve ser executada.

As etpas abaixo descrem como deve ser feito o processo de ativação da rica coexistência:

Etapa

Detalhes Requerido / Recomendado

Executar o Onboarding Accelerator

Criará uma referência sobre como criar a “Rica Coexistência”.

Recomendado

Configurar a “Federated Identity”

ADFS/Geneva Server permite uma identidade on-premises ser usada para autenticação na nuvem.

Recomendado

Configurar o Dirsync

Sincroniza o serviço de diretório e a GAL com a nuvem.

Requerido

Habilitar o “Dirsync Writeback”

Permite “rich off-boarding” com a possibilidade de mensagem de resposta.

Recomendado

Instalar o  E2k10 SP1 no ambiente on-premises

Servidor E2k10 SP1 CAS/Hub (além do role MBX, para alguns casos) é requerido para que os recursos de rica coexistência funcionem.

Requerido

Configurar o redirecionamento do Autodiscover

Permite o autodiscover on-premises redirecionar os clientes Outlook para a nuvem sem prompts.

Recomendado

Implementar as polices de configuração na nuvem

Criar as polices de configuração na nuvem, de forma que sigam as mesmas configurações do ambiente on-premises (ex: polices do ActiveSync, OWA, etc).

Recomendado

Configurar RBAC na nuvem

Criar/Gerenciar os acessos baseados em papéis – Role Based Access Control (RBAC) na nuvem  (ou complementar) de forma que fiquem com as mesmas configurações on-premises.

Recomendado

Configurar a relação de confiança da Federação / Org Relationship  “Federated Sharing”

Habilita a infraestrutura para federação do espaço de nomes. Permite os recursos de rica coexistência:
Cross-prem Free/Busy, Compartilhamento de Calendário;
Cross-prem Mailbox Search;
Cross-prem Mailtips;
Cross-prem Message Tracking;
Configuração do roteamente de e-mail via Cross-prem;
Cross-prem OWA redirection (única URL);
Cross-Prem Archiving.

Recomendado

Configurar o roteamento de e-mail na rica coexistência (Cross-Prem)

Essa configuração garante o tratamento correto para o cabeçalho anti-spam, para o envio de e-mails entre o ambiente on-premises e a nuvem.

Recomendado

 

Gerenciamento da Rica Coexitência

À partir do momento que o Exchange 2010, com Service Pack 1, está instalado no ambiente on-premises, através da EMC GUI é possível realizar de ambos os ambientes (on-premises e na nuvem).

image
Figura 1: Especificando na console do Exchange que a floresta do Exchange que será administrada é a da nuvem.

image
Figura 2: Exchange EMC administrando a floresta da nuvem.

Setup do “Federated Sharing”

Para a configuração do “Federated Sharing” está disponível um assistente, onde a relação de confiança com a federeção pode ser configurado. Vale lembrar que os recursos mais avançados da “rica coexistência” estão disponíveis somente após a configuração do “Federeted Sharing”.

image
Figura 3: Assistente para a criação de uma relação de confiança de federeção.

image
Figura 4: Assistente para gerenciamento da federeção.

Migração de mailboxes

Com a rica coexistência, os mailboxes podem ser migradas para a nuvem ou da nuvem, sem pré-requisitos. O DirSync se responsabiliza para manter a GAL atualizada sobre qual mailbox está on-premises ou na nuvem.

image

Figura 5: Assistente para migração de mailbox – possibilidade de migrar para ou da nuvem.

image

Figura 6: Migração para ou da nuvem via PoweShell.

image
Figura 7: Local no assistente para especificar qual o destino do mailbox, durante a migração. Se o “Federated Sharing” estiver configurado, não é necessário especificar credenciais adicionais.

 

Sem necessidade de resincronização de OST

Com a rica coexistência, estamos tratando de um “verdadeiro move” para a nuvem, já que estamos tratando de uma federação de organização. Com isso, o Autodiscover detecta quando um mailbox foi movido, e simplesmente corrige a sua localidade. Como resultado, não é necessário que o OST sejam resincronizados nos clientes Outlook.

 

Conclusão

A nova geração do BPOS, o Office 365 trará recursos interessantíssimos, relativos à coexistência do ambiente on-premises Exchange 2010 com a nuvem. Esses recursos, que foram comentados nos três posts da série, permitem uma grande flexidade para a administração do ambiente e para a experiência do usuário.

O conceito principal que devemos guardar é o porque conseguimos atingir essa rica coexistência: a  possibilidade de termos uma “verdadeira federação” criada. Ou seja, o nuvem será uma extensão real dos objetos on-premises.

Com isso, podemos ter:
Cross-prem Free/Busy, Compartilhamento de Calendário;
Cross-prem Mailbox Search;
Cross-prem Mailtips;
Cross-prem Message Tracking;
Configuração do roteamente de e-mail via Cross-prem;
Cross-prem OWA redirection (única URL);
Cross-Prem Archiving.

Em um futuro próximo, irei iniciar uma nova série, com o detalhamento da implantação desses recursos.

Abraços,

Carlos Monteiro.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

5 Respostas to “Usando o Microsoft Exchange Server 2010 para obter uma rica coexistência com o Exchange Online – BPOS / Office 365 / Microsoft Online Services – parte 3/3”

  1. Quais os passos necessários para a transição do BPOS para o Office 365? « Carlos Monteiro's Blog Says:

    […] Essa função do ADFS e do Exchange Server 2010 CAS é obrigatória caso o ambiente tenha uma Rica Coexistência com o Exchange Online, ou deseje a Federação de Identidade. Vale lembrar, que já abordamos a Rica Coexistência em um artigo, no ano passado, dividido em parte 1, parte 2 e parte 3. […]

  2. Saiba os passos necessários para a transição do BPOS para o Office 365! « Blogando Microsoft Says:

    […] Essa função do ADFS e do Exchange Server 2010 CAS é obrigatória caso o ambiente tenha uma Rica Coexistência com o Exchange Online, ou deseje a Federação de Identidade. Vale lembrar, que já abordamos a Rica Coexistência em um artigo, no ano passado, dividido em parte 1, parte 2 e parte 3. […]

  3. Saiba os passos necessários para a transição do BPOS para o Office 365! « IT Elieser – Best of TI Says:

    […] Essa função do ADFS e do Exchange Server 2010 CAS é obrigatória caso o ambiente tenha uma Rica Coexistência com o Exchange Online, ou deseje a Federação de Identidade. Vale lembrar, que já abordamos a Rica Coexistência em um artigo, no ano passado, dividido em parte 1, parte 2 e parte 3. […]

  4. Quais os passos necessários para a transição do BPOS para o Office 365? « { fernando andreazi } Says:

    […] Essa função do ADFS e do Exchange Server 2010 CAS é obrigatória caso o ambiente tenha uma Rica Coexistência com o Exchange Online, ou deseje a Federação de Identidade. Vale lembrar, que já abordamos a Rica Coexistência em um artigo, no ano passado, dividido em parte 1, parte 2 e parte 3. […]

  5. Quais os passos necessários para a transição do BPOS para o Office 365? « Jorge G. Vera's Blog Says:

    […] Essa função do ADFS e do Exchange Server 2010 CAS é obrigatória caso o ambiente tenha uma Rica Coexistência com o Exchange Online, ou deseje a Federação de Identidade. Vale lembrar, que já abordamos a Rica Coexistência em um artigo, no ano passado, dividido em parte 1, parte 2 e parte 3. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: